Entrevista de emprego: como transparecer o seu potencial?


Você conseguiu uma entrevista para o trabalho dos seus sonhos. Seu currículo é exemplar, você se identifica muito com a empresa e sabe que tem as competências necessárias para assumir o cargo, é a oportunidade da sua vida. Mas então o grande dia começa a se aproximar e a necessidade de se preparar torna-se cada vez mais alarmante. E agora, o que fazer para se capacitar, impressionar o seu entrevistador e garantir o emprego que você tanto deseja?


É comum o pensamento de que não é necessário treinar para uma entrevista de emprego: se você tem aptidão, tudo ocorrerá com naturalidade e o cargo será seu. Mas, na grande maioria dos casos, isso não é verdade. É preciso muito autoconhecimento e prática para acertar na escolha das palavras e na forma como elas são colocadas, afinal, competência é algo que se constrói ao longo de toda uma vida, mas, agora, você deve expô-la em menos de 30 minutos.


Para saber como se preparar para a entrevista, o mais importante é conhecer as características buscadas pelo entrevistador. Principalmente em cargos executivos e de consultoria (o que não exclui outras diversas atividades), existem algumas competências que devem ser atributos de todo profissional qualificado: capacidade de resolução de problemas, relações interpessoais, liderança e motivação. Segundo estudos da London Business School, é necessário ser competente em pelo menos 3 dessas 4 habilidades, e se destacar em, no mínimo, uma delas para chamar a a tenção do seu entrevistador. Ele precisa pensar que você estaria entre os primeiros 25% dos atuais funcionários da empresa nessa competência.


Além disso, há traços exigidos que variam de entrevista para entrevista, como os valores da empresa. Toda organização possui princípios nos quais se baseia para alcançar seu objetivo enquanto instituição. É natural, portanto, que ela procure esses mesmos valores em cada funcionário a ser contratado. Assim, é necessário pesquisar quais são esses princípios e, mesmo que eles já sejam intrínsecos a você, planejar como demonstrar isso dentro do tempo estipulado e das perguntas realizadas, para que não passe despercebido.


Entretanto, no caso desses valores não serem tão naturais a você, é sempre possível treinar sua performance para construir o poder transformativo de se tornar aquilo que você não é... ainda. Quando procuramos conscientemente estar em maior sintonia com a cultura da empresa, conseguimos desenvolver novas – e genuínas – partes de nós. Contudo, ao perceber a necessidade exacerbada de mostrar características que você não tem, talvez seja o momento de reavaliar se esse é realmente o emprego para você, se você de fato seria capaz de se adaptar ao ambiente de trabalho desejado mesmo não estando totalmente alinhado no momento.


O entrevistador, naturalmente, fará perguntas para descobrir se você se encaixa nesse perfil que está sendo buscado pela empresa. No entanto, é importante lembrar que você não é o único candidato ao cargo: existem outros concorrentes que podem ser tão capazes quanto (ou até mais do que) você. Como responder a essas perguntas, então, de forma a não apenas se apresentar adequado para o emprego, mas a destacar-se entre os outros candidatos?


Uma prática muito comum em entrevistas de emprego é ser perguntado sobre a sua experiência mais relevante: apesar de comportamento passado nem sempre predizer seu futuro, as pessoas provavelmente vão querer saber se você “já fez isso antes”. O importante aqui é não apenas escolher uma situação profissional – evitando circunstâncias pessoais e fora do ambiente de trabalho – na qual você tenha mostrado atitude de liderança, capacidade de resolução de problemas, e o máximo possível de valores exigidos, mas, acima de tudo, ser conciso. Caso contrário, você corre o risco de ficar tão imerso em sua resposta que seus ouvintes parem de prestar atenção no que você está falando e comecem a fazer suposições sobre a sua falta de brevidade. Pessoas que falam muito sobre si mesmas são comumente percebidas como egocêntricas, arrogantes ou até narcisistas.


Também, é muito provável que, se você enaltecer exageradamente suas conquistas e não for suficientemente específico ou objetivo, sua audiência assumirá que você está exagerando. Com o objetivo de evitar esse caminho, pode-se utilizar de um método conhecido como STAR (Situação-Tarefa-Ação-Resultado). Assim, começamos descrevendo a situação enfrentada como uma circunstância ou problema específico, não algo generalizado que você fez no passado. Em seguida, é exposta a tarefa a ser realizada, seu papel frente à situação, a forma como a transformou em uma oportunidade. O próximo passo consiste em explicar a sequência de ações realizadas para resolver esse desafio, detalhando como superou cada obstáculo e seguiu em frente para obter resultados, tomando cuidado para manter o foco no que você de fato fez, não nas ações da equipe como um todo. Por último, deve-se resumir os resultados tangíveis do seu trabalho. Um alto nível de detalhamento é necessário nessa etapa, métricas que quantifiquem seus resultados são importantes para dimensionar seu impacto.


No entanto, mesmo com prática e ensaio, podemos ficar sobrecarregados e pressionados em situações não convencionais, principalmente quando somos o centro das atenções. Para contornar esse cenário, é necessário que desenvolvamos estratégias tanto para construir confiança quanto para controlar o estresse emocional. Primeiramente, não podemos nos comparar ao entrevistador, ele costuma ser uma das pessoas mais bem conceituadas na empresa, principalmente em companhias de grande porte e com processos seletivos duros. Portanto, não tenha medo de não ser suficientemente qualificado para o emprego caso você não tenha um MBA de Harvard, o conhecimento pleno da área ou o dom da oratória como o seu entrevistador: ele provavelmente está muito acima da média dos funcionários, e, possivelmente, conquistou esse MBA e essas qualidades apenas após assumir o cargo. Ele também já passou pelo que você está passando agora.


Uma outra técnica importante é não se deixar tomar pela sua ânsia pelo emprego. O pensamento de que você precisa do cargo, como se ele fosse a sua única opção, pode aumentar drasticamente o nível de nervosismo, prejudicando seu desempenho. Por isso, ao invés de agir como alguém que está se esforçando excessivamente para conseguir o emprego, pense que essa é apenas uma das inúmeras oportunidades que terá pela frente e aja como se você quisesse ter uma boa conversa com a pessoa sentada do outro lado da mesa. Sua mentalidade deve seguir a linha do “Eu fiz algumas coisas legais e significativas na minha vida pessoal e profissional que eu gostaria de compartilhar e estou muito interessado em saber sobre você e sua empresa”. Assim, você atrairá também o interesse do entrevistador por você.


É importante, porém, não se apavorar com o estresse que pode surgir durante a entrevista e dificultar que você aja com naturalidade. Estressar-se em uma entrevista de emprego não é apenas normal – é necessário. Uma certa quantidade de nervosismo pode, na verdade, ajudar no seu desempenho. Ao manter seu estresse em um nível apropriado, sua mente trabalha em um estado ótimo de produtividade, facilitando que você lembre a lista de itens que gostaria de falar e trabalhando ativamente para enfrentar perguntas inesperadas. Para atingir esse patamar ideal, é importante praticar sua fala usando o método STAR, garantindo que você terá confiança e certeza na hora de estruturar seu discurso.


A conversa informal que precede os momentos iniciais da entrevista também pode ajudar a desinibir candidatos nervosos. Entrevistadores costumam começar com uma seleção de perguntas inofensivas e não relacionadas ao trabalho: “Como estava o trânsito no seu caminho para cá?”. No entanto, esse não é apenas um aquecimento para a entrevista. A avaliação do entrevistador sobre você já teve início, nesse momento ele procura uma pessoa profissionalmente sociável - afinal, se tudo ocorrer como o planejado, vocês serão colegas de trabalho. Ele quer saber se gostaria de passar horas com você em um avião indo visitar um cliente. Assim, é muito importante estender sua interação na medida do adequado, evitando respostas curtas e triviais como “sim” ou “estava bom”. Você quer causar uma boa primeira impressão, pois ela pode refletir na percepção do entrevistador sobre você pelo resto da entrevista, ou até pelo resto de suas carreiras.


Passar por uma entrevista de emprego é algo que, de fato, gera ansiedade. No entanto, lembre-se de que você está entrevistando essa organização tanto quanto ela está entrevistando você. Eles também estão se empenhando para causar uma boa impressão, afinal, você precisa saber se essa empresa pode realmente oferecer o que gostaria de encontrar em seu próximo emprego.


Uma vez qualificado, construir confiança, ensaiar e manter-se calmo é o caminho para você crescer e se desenvolver a fim de efetivamente mostrar o seu potencial. É, também, o caminho para conseguir o emprego.

© 2020 por UFRJ Consulting Club

Av. Athos da Silveira Ramos, 149 - Cidade Universitária, Rio de Janeiro

  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn